Pesquisa de publicaçõesVoltar

Influência do fosfito de potássio no rendimento da cultura da soja (Glycine max L. (Merrill))

Autor

Danieli, Alberto Zanella

Orientador

Orientadores: .Luis Carlos Borsuk ; Victor Luiz müller Bê

Autores secundários

Borsuk, Luis Carlos
Bê, Victor Luiz Müller

Ano

2010

Resumo

A soja é um dos principais itens da pauta de exportação brasileira nos últimos anos. Na safra 2009/2010 a estimativas são de 23,24 milhões de hectares com produção de 67,86 milhões de toneladas e rendimento de 2920 kg/ha, sendo que nos últimos anos os rendimentos vêm apresentando melhorias, com uma parcela significativa de produtores brasileiros com rendimentos acima de 4 mil kg/ha (CONAB 2010). Por outro lado os problemas sanitários da cultura vêm aumentando com moléstias como a ferrugem asiática e pragas como ácaros e lagartas. O uso de fosfito vem sendo testado em culturas frutíferas com sucesso e ultimamente os estudos são feitos sobre o seu potencial de uso para culturas anuais como a soja. Foi realizado o experimento visando verificar o rendimento de soja (Glycine max L (Merril)) em kg/ha em 10 tratamentos  e 3 repetições submetidas a doses normal (800 ml/ha), dose dupla (1600 ml/ha) e dose tripla (2400 ml/ha) de produto comercial a base de fosfito de potássio aplicado antes, depois e antes e depois da floração, em Planalto-RS, safra 2009-2010. O delineamento experimental usado foi de blocos ao acaso. Os rendimentos médios obtidos por tratamento variaram de 2320 Kg/ha para dose normal aplicada após a floração ate 2881 Kg/ha para dose tripla aplicada antes e depois da floração. Não houve diferença significativa entre as medias dos tratamentos usados, mas pode-se sugerir que novos experimentos sejam realizados visando compreender melhor as interações entre o uso do fosfito de potássio com a incidência de doenças e com o rendimento final da cultura.