Webmail

Cuidado com os e-mails falsos.

Lembre-se: a Unochapecó jamais solicitará sua senha por e-mail ou por telefone.

Editora Argos conquista o prêmio literário mais importante do país

Cultura

O tão sonhado Jabuti, o prêmio de livros mais tradicional da história brasileira, foi conquistado pela Argos Editora em dezembro. O livro premiado “Do mito das Musas à razão das Letras”, do autor Roberto Acízelo de Souza, foi o título destaque da Editora em 2015, já que além, do Jabuti, conquistou também o prêmio da Academia Brasileira de Letras e da Associação Brasileira das Editoras Universitárias (ABEU). As homenagens são resultados da qualidade e confiabilidade do trabalho realizado durante toda a história da Editora.

São 23 anos de história, que começou a ser escrita em 1992. Inicialmente, a Argos chamava-se apenas Setor de Editoração, mas em 1996 recebeu o nome de Editora Grifos. Em 2000 tornou-se Argos Editora, nome inspirado em uma história da mitologia grega através de uma votação interna. O objetivo principal do surgimento da Editora foi divulgar as pesquisas históricas sobre a região, em parceria com o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom).

“Tínhamos um arsenal de conhecimentos, uma história sendo contada, mas não havia um espaço para difundir esse conhecimento. A Argos surge como uma forma de resolver essa questão”, afirma o coordenador da Editora, professor Dirceu Hermes. Assim surgiram as primeiras publicações: “Militantes e igreja: tensões e perspectivas”, de Ivo Pedro Oro (1992);  “A Luta da Erva”, de Arlene Renk (1996); e também os “Cadernos do Ceom”, periódico que já está na 43° edição.

Em 2000, iniciaram-se os esforços para que a Argos fosse vista fora da Unochapecó. No início, a participação dela em eventos de literatura era muito pequena. “Começamos com um espaço pequenininho. Na primeira Bienal do Livro que a Editora participou, em 1999, apenas três livros foram expostos”, afirma Neli Ferrari, assistente de vendas da editora.

A principal estratégia para favorecer a qualidade das obras foi a definição de uma linha editorial. Todas as publicações passam pelo Conselho Editorial, composto por um grupo de pesquisadores e professores de todas as áreas da universidade. Atualmente, o catálogo de publicações da Argos conta com mais de 200 títulos, que contribuem não só com a história regional, mas também com as áreas de química, engenharia, literatura, educação, desenvolvimento, pesquisa, entre outros.

Agora, a Argos é destaque em eventos e feiras literárias que participa, tanto nacional quanto internacionalmente. “Devido a qualidade das nossas obras, a Argos é esperada com expectativa nos eventos em que participa”, declara Dirceu. Somente nos últimos quatro anos, a Editora esteve presente em 11 eventos nacionais e quatro feiras internacionais, incluindo a Feira de Frankfurt, na Alemanha.

Dirceu considera que reconhecimento e credibilidade no cenário foram as maiores conquistas da Editora no decorrer dos anos. “Quando eu assumi a Editora há quatro anos, eu sabia da seriedade e da importância da Editora, mas não tinha uma vivência. No primeiro evento que eu participei, fiquei encantado com a receptividade que a Editora possui”.

 

Trabalho de formiguinha

Neli faz parte da equipe da Argos Editora desde o início da trajetória. Ela relata que todas as conquistas foram o resultado de um trabalho que começou a ser desenvolvido em 2000. “É resultado de muitas mãos, que vem construindo a editora paulatinamente. Há 15 anos, começamos a fomentar parcerias com outras editoras, universidades e distribuidoras”, conta.

O Prêmio Jabuti já era aclamado pela Argos há nove anos. “Todos os anos, analisamos as publicações lançadas e elencamos as que relacionam-se com as categorias do Jabuti, e realizávamos a inscrição”, afirma Neli. Já a parceria com o autor de “Do Mito das Musas às Razões das Letras”, Roberto Acízelo de Souza, iniciou a partir de outra publicação dele, “Uma Ideia Moderna de Literatura” (2011). A parceria entre a editora e o autor resultou em um trabalho de cinco anos.

jabuti

Dirceu afirma que a editora, quando optou pelo lançamento do livro, tinha a noção da importância do conteúdo e do próprio autor. Entretanto, ninguém imaginava que a obra iria repercutir tão positivamente. “Tínhamos muita confiança, mas não imaginávamos que o livro ia explodir”, afirma. “É um sonho realizado, que nós desejavamos muito. Agora, os olhares  de editoras e escritores voltam-se para a Argos. É como o Oscar do livro no Brasil” complementa Dirceu.

 

Importância acadêmica

A Argos é um meio fundamental de divulgação de toda a produção de conteúdos relevantes, realizadas dentro da própria universidade e em instituições parceiras. Segundo Dirceu, a editora fortalece o conceito da Unochapecó, que prioriza a difusão de conhecimentos. “Este é o intuito de uma universidade. E nessa função, a Editora é uma grande aliada”, afirma Dirceu.

Para o reitor da Unochapecó, professor Odilon Luiz Poli, a importânciaodilon da Argos vai além da divulgação de pesquisas científicas, pois inclui também o resgate e a difusão do patrimônio cultural de nossa região. “Existe um resgate histórico e cultural da região que só tem condição de chegar ao público através de publicações da editora”, informa Odilon. Segundo ele, a editora agrega valor à marca da Unochapecó, pois o respeito obtido pelas publicações é muito grande.

Assim como Roberto Acízelo de Souza e muitos outros autores renomeados, Odilon também fez parte da história das publicações da Editora. Em 2008, ele publicou o livro “Leituras em Movimentos Sociais”. Para ele, a experiência foi gratificante. “Publiquei um conteúdo que eu considerei relevante, que as pessoas desejavam conhecer, num espaço que é da região”, relata.

 

COMPARTILHE
TAGS
Premiação
Literatura
Jabuti
Argos editora

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus