Webmail
Menu Busca

Exposições

O CEOM mantém em acervo as seguintes exposições:

 

1 - Exposição Fotográfica AMOR À MODA ANTIGA: tem como mote central a história dos casamentos de 1900 a 1970, de sujeitos que fixaram residência na região Oeste Catarinense. São representados casamentos realizados em diversas cidades do Rio Grande do Sul, donde os noivos migraram, além de cerimônias ocorridas nas cidades catarinenses. Por ser uma pesquisa realizada por demanda espontânea (onde os interessados oferecem-se para colaborar) as imagens retratam em sua maioria o ritual de casamento sob a ótica religiosa católica, além de centrar-se especialmente em retratos do casal de noivos. Isso porque, raros eram os noivos que mantinham um álbum completo, retratando os diversos aspectos da cerimônia ou de outros momentos, como o namoro por exemplo. Das primeiras imagens, feitas dias ou meses depois da cerimônia, vamos acompanhando a gradativa popularização da fotografia, que passa a retratar o momento do ato e os aspectos cotidianos, de modo mais espontâneo, abandonando a teatralização da imagem, tão comuns nos primeiros tempos.

Como pensar as relações afetivas através do tempo? “Amor à moda antiga” promove reflexões acerca das mudanças ocorridas no amor e no casamento ao longo das décadas. As imagens selecionadas, retratam algumas de tantas histórias que foram silenciadas pelo tempo ou ficaram restritas às memórias familiares. Composta por 22 ampliações em PVC nas dimensões 1,00 x 0,75m + um painel fotográfico de 1,00 x 1,40m + livro de visitas + roteiro de atividades para professores [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

2 - Exposição fotográfica “Interações: homem e natureza no Velho Xapecó”: “As caçadas memoráveis de outrora, a imensidão da floresta, o desafio do rio... as vezes em que os rios tomaram a cidade. A labuta incessante na lavoura. A construção das casas abrindo espaço à machado na mata. As colheitas fartas, os invernos mais frios. A cidade. O campo. O trabalho. As pessoas.” As fotografias são um convite à reflexão sobre a ação humana no espaço natural e as respostas da natureza à essa ação. É também uma reflexão sobre como interagimos, modificando o espaço, na construção do cenário que hoje conhecemos como oeste catarinense. Exposição composta por 20 ampliações fotográficas nas dimensões 50x70cm.[DISPONÍVEL disponível para empréstimo]

 

3 - Exposição fotográfica “Movimentos: Lutas Camponesas no Oeste Catarinense”: o oeste catarinense é famoso pela representatividade de diversos Movimentos Sociais na região. Entre os mais significativos estão o Movimento dos Sem Terra – MST e o Movimento das Mulheres Agricultoras – MMA, que recentemente mudou a denominação para MMC – Movimento das Mulheres Camponesas. A exposição sobre o tema compõe-se de ampliações fotográficas e textos em banners, sendo dois nas dimensões 200x180cm, oito nas dimensões 50x70cm e dezesseis com dimensões 30x40cm. [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

4- Exposição fotográfica “Habitar no Oeste Catarinense”: várias formas de habitar e construir a moradia são identificadas (observadas) no oeste de Santa Catarina; formas de quem bem conhece a região, as árvores, o clima; formas de quem isto desconhece e traz modos de fazer de outros lugares. Conhecimentos que perpassam gerações e produzem diferenciais na paisagem local. Casas construídas com taquaras, com pinheiros lascados, serrados manualmente, cobertas com folhas, tabuinhas, madeira nobre, qualquer madeira. Foi pensando nos diversos grupos étnicos que convivem neste espaço geográfico e nas diferentes formas de construir as habitações, no oeste de Santa Catarina, na primeira metade do século XX, que o CEOM montou esta exposição. São 19 ampliações fotográficas em preto e branco nas dimensões 29x42cm, acompanhadas de um texto norteador. [DISPONÍVEL para empréstimo

5 - Exposição fotográfica “Chapecó em décadas”: ampliações fotográficas da paisagem urbana de Chapecó desde a década de 20 até meados da década de 90, num total de 11 quadros nas dimensões aproximadas de 20x33cm. Permite uma leitura do processo de urbanização e industrialização da cidade, entre outras possibilidades. [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

6 - Exposição fotográfica e textual “Velho Xapecó: o sertão desconhecido”: o Sertão é, a rigor, o espaço do abstrato, do distante, o lugar da aventura, do risco. É também um espaço de população desconhecida, habitado por um imaginário repleto de significados e contrastes em relação à civilização. No oeste catarinense de princípios do século XX, falar de sertão abarca todas essas representações e faz dessa uma região à qual se lançam os aventureiros, os corajosos, os desbravadores. Desbravar! Povoar! Colonizar! Palavras de ordem nas primeiras décadas, contrapondo-se, por vezes de forma violenta, aos modos de vida dos habitantes do sertão. Mais que contar uma história factual, essa exposição pretende trazer à tona as muitas possibilidades de se contar uma mesma história. É composta por 20 banners nas dimensões 90x120cm. [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

7 - Exposição “Cidades”: exposição fotográfica retratando Chapecó, em diferentes épocas, de diferentes ângulos. Fotos coloridas que indicam sua pouca idade. Fotos preto e branco um tanto apagadas pelo tempo. Fotos em tons de sépia, denunciando o registro de outro século. São imagens que nos mostram as várias faces de uma mesma cidade, marcadas pelo tempo e pela ação constante dos grupos humanos que vivem e convivem nesse espaço. Composta por 20 ampliações fotográficas nas dimensões 50x70cm. [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

8 - Exposição de Charges “Arqueologia com humor” - arte de Alex Carlos T. dos Santos: A pedido da equipe do CEOM, o chargista Alex Carlos T. dos Santos representa, de forma lúdica e bem-humorada, cenas cotidianas do trabalho arqueológico, alguns dos principais conceitos e “mitos” da arqueologia. O resultado é uma divertida coletânea de 21 obras em grafite, nas dimensões 30x42cm, que tornam possível discutir esses temas com os mais diversos públicos. [DISPONÍVEL para empréstimo]

 

9 - Exposição “Acerca de Livros” - Textual e visual: compõe-se de 9 painéis nas dimensões 23x33cm, com imagens e textos tematizando a arte da escrita. É uma das nossas exposições permanentes, e pode ser visitada no hall da biblioteca do CEOM. [INDISPONÍVEL]

 

10 - Exposição tridimensional “Pré-história entre os vales dos rios Chapecó e Irani”: concebida a partir do projeto de extensão “Histórias da pré-história: educação patrimonial entre os vales dos rios Chapecó e Irani”, tem como objetivo central socializar o conhecimento resultante das pesquisas arqueológicas realizadas pela empresa Scientia Consultoria Científica, nas áreas atingidas pela Usina Hidrelétrica de Quebra-Queixo, Linha de Transmissão Quebra-Queixo a Pinhalzinho e Pequenas Centrais Hidrelétricas - de Plano Alto e Alto Irani. Compõe-se de oito caixas, nas dimensões 90x90cm, contendo artefatos arqueológicos, objetos de trabalho do arqueólogo, mapas, croquis e textos explicativos sobre o tema, além de uma atividade interativa. [INDISPONÍVEL]

 

11 – Exposição fotográfica “Antonio Selistre de Campos”: O juiz Antonio Selistre de Campos é uma das figuras históricas mais representativas da cidade de Chapecó. A memória de sua obra permeia a cidade, nomeia o museu municipal, e ficou em uma das coleções arqueológicas mais significativas da cidade, além dos inúmeros escritos sobre temáticas em voga à época. Por essa razão, o CEOM organizou e disponibiliza essa exposição fotográfica a partir da qual é possível tematizar diversos aspectos históricos, culturais e sociais da região oeste catarinense. São 08 ampliações fotográficas em preto e branco nas dimensões 30x42cm. [INDISPONÍVEL]