Webmail
Menu Busca

Cultura que passa de geração para geração

Histórias

Texto Jessica De Marco*

 

Tão pequena, Alícia, de apenas dois anos, nem imagina o quanto a conquista da mãe é importante para o seu povo. A formatura em Licenciatura Intercultural Indígena na Unochapecó é uma vitória para Carina Inácio e também para os milhares de índios Kaingang que vivem em nossa região. É a possibilidade de passar adiante, de geração para geração, uma cultura que faz parte da nossa história. A colação de grau aconteceu na sexta-feira (08/03), no Salão Nobre da Universidade, e outros 33 indígenas se formaram na oportunidade. Uma noite de festa e emoção, que certamente ficará na memória de todos.

"Foi uma enorme conquista, jamais achei que ia conseguir tamanha façanha. Minha filha participou totalmente do curso, ganhei ela enquanto estava fazendo e não desisti. Pelo contrário, foi o motivo que me incentivou ainda mais a terminar. A Uno abriu uma porta muito importante para nós indígenas, estar participando dessa formatura é uma vitória para todo o meu povo", comenta.

A jovem não esconde o orgulho em ser Kaingang. Fez questão de participar da solenidade com um adereço muito característico de sua cultura, o cocar. "Me identifica como indígena, me diferencia dos demais. Faço questão de usar". Ela enxerga como um incentivo a mais para a filha preservar a sua cultura. "Sinto que sirvo de espelho para a minha filha. Desde pequena trago ela na Universidade, ela começou a caminhar na Unochapecó, participou das aulas e dos seminários. Vou apoiá-la totalmente no futuro, assim como ela me acompanhou em toda minha formação acadêmica".

Carina se formou em Licenciatura Intercultural Indígena em Línguas, Artes e Literaturas. Além desta área, os acadêmicos podem escolher entre outras três: Ciências Sociais; Matemática e Ciências da Natureza; e Pedagogia. O curso é ofertado pela Unochapecó, em convênio com a Secretaria Estadual de Educação de Santa Catarina. Esta é a segunda edição da graduação, que atende cinco aldeias da região. Os estudantes, além de realizarem o curso de forma gratuita, através do convênio, também recebem benefícios que incluem o transporte das aldeias até o local de aula, a estadia de sexta-feira para sábado e as refeições realizadas neste período.

O pró-reitor de Pesquisa, Extensão, Inovação e Pós-graduação da Unochapecó, professor Leonel Piovezana, lembra que a formatura é uma entrega que a Uno faz para toda a comunidade regional. "Para nós esse momento é muito importante. Iniciamos esse processo em 2007 com o projeto e 2009 com as primeiras aulas. Já são 10 anos desse trabalho que tem alcançado resultados excelentes, que transforma toda uma realidade, um espaço social, as pessoas, as oportunidades e as próprias comunidades indígenas".

A coordenadora geral e coordenadora do curso de Licenciatura Intercultural Indígena em Ciências Sociais, professora Teresa Machado da Silva Dill, afirma que há muitos motivos para se comemorar. "Só pelo fato de hoje eles se reconhecerem e se valorizarem foi um grande ganho. Com a formatura eles assumem o compromisso com sua cultura, de desenvolver uma educação intercultural e comunitária. Que estes novos professores promovam cada vez mais esse envolvimento", finaliza.

 

*Jornalista do Núcleo de Produção de Conteúdo (NPC) - Unochapecó

COMPARTILHE
TAGS
Licenciatura intercultural indigena
Indigena
Formatura

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus