Webmail
Menu Busca

Curtas-metragens representam a Unochapecó em Festival sul-americano

Cultura

Texto Luana Poletto*

 

As produções audiovisuais são importantes meios de entretenimento, mas além disso, de reflexão. Muitas vezes, proporcionam vários sentimentos ao público e fazem com que as pessoas identifiquem-se com a trama ou até mesmo com os personagens. Isso possibilita experiências únicas. No curso de Produção Audiovisual - Cinema e Vídeo e na Pós-graduação em Cinema e Realização Audiovisual da Unochapecó, os estudantes são instigados a colocar em prática a teoria através da produção de curtas-metragens e documentários. Com isso, dois trabalhos foram selecionados para a 4ª edição do Festival Universitário de Cinema e Audiovisual - Assimetria, promovido pela Universidade Federal de Santa Maria (UFSM) e pela Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), que ocorre entre os dias 15 a 25 de junho de 2021.

Neste ano, o Festival acontece de forma online. Os filmes já foram divulgados no Instagram e ficarão disponíveis no YouTube do Festival para acesso ao público, que poderá votar (com likes). O curta-metragem com maior número de curtidas ganha o prêmio do Júri Popular. Os filmes também estão concorrendo na Mostra Competitiva, nas categorias de Melhor Curta-Metragem Universitário e de Melhor Direção, premiações entregues pelo Júri Oficial do festival nas três categorias: ficção, documentário e experimental.

O objetivo do evento é difundir o curta-metragem universitário e promover a reflexão sobre a produção audiovisual dos estudantes de graduação e pós-graduação, contribuindo para promover a cultura local, nacional e sul-americana. O Assimetria é um projeto de extensão do Centro de Artes e Letras (CAL) da UFSM, em conjunto com a UFSC, e conta com apoio do Laboratório VIS, LabArt, CAL, Programa de Pós-Graduação em Artes (PPGArt) da UFSM, Cineclube da Boca, TV OVO, Pró-Reitoria de Extensão da UFSM, Departamento de Artes da UFSC, curso de Cinema da UFSC, Cine Paredão e Cineclube Rogério Sganzerla.

 

Produções selecionadas

Um dos trabalhos selecionados para representar a Unochapecó no Festival Assimetria foi o curta-metragem de ficção “Hipopótamo”, desenvolvido na Pós-graduação em Cinema e Realização Audiovisual da Unochapecó (turma 2018-2020), com roteiro e direção de Taulan Cesco. Conforme o diretor, o roteiro do curta foi escrito em sete dias.

“A ideia surgiu de textos, crônicas e prosas que eu havia escrito e que acabaram se incorporando à narrativa do filme. A temática LGBTQIA+ surgiu com o próprio roteiro e a equipe foi organizada de acordo com o interesse dos próprios pós-graduandos. O roteiro foi escolhido em um pitching realizado na pós-graduação. Produzimos o filme em 2019 e finalizamos em 2020”, comenta.

Taulan também destaca a importância desta produção. “Foi meu primeiro roteiro e primeira direção de ficção. Além de um desafio pessoal, foi um desafio profissional, pois a experiência ampliou ainda mais meu interesse pela escrita de roteiros de ficção. E na posição de diretor, tive que assumir novas responsabilidades, que certamente foram essenciais para minha formação. Quanto à seleção do Festival, me sinto muito contente, pois materializa todo o empenho e esforço que a equipe depositou ao longo do processo de gravação — antes, durante e após a finalização”, ressalta.

O outro trabalho que participa do Festival é o documentário 'Atos Criativos', que tem direção de Eduardo Ceretta, e foi desenvolvido por estudantes dos cursos de Produção Audiovisual e Jornalismo na disciplina de 'Documentário' em 2020, sob orientação do professor Francesco Silva. A produção ocorreu durante a pandemia de Covid-19, então impôs novas formas de realização que acarretaram na formatação narrativa. Para Eduardo, a integração entre os cursos engrandece os projetos e possibilita a troca de conhecimentos.

“Durante toda a produção tive o prazer de trabalhar com pessoas extremamente organizadas e talentosas, que permitiram a realização de forma qualitativa. Foi um momento de encontro de diferentes vivências que, entre suas jornadas distintas, acarretaram na complementaridade de ideias e opiniões. E, na medida do possível, todas essas percepções foram adicionadas ao curta”, destaca. 

Eduardo comenta, ainda, que a produção foi um desafio, pois foi o primeiro documentário que ele dirigiu. “Acredito que, como a temática é bastante próxima à mim, me representa muito. Além disso, tenho orgulho de ter colocado nas telas esses artistas tão importantes para a arte regional. Falar sobre arte e viver sobre arte, especialmente no Oeste catarinense, ainda está relacionado com um processo de resistência. Estar no Assimetria significa o reconhecimento de um projeto que, embora trabalhoso e com reviravoltas, foi alvo de imensa dedicação. Foi o último projeto que realizei na graduação, então, o sentimento é de uma boa finalização desta etapa da minha vida”, salienta.

Os diretores possuem grandes expectativas para o evento. Eduardo espera que a produção seja visualizada por pessoas de diferentes regiões do país, e que, com isso, ocorra um fortalecimento do audiovisual do Oeste catarinense, e principalmente, a participação da Unochapecó. Para Taulan, oportunidades como esta permitem a troca de ideias, perspectivas, trabalhos e pontos de vista.

“Pela abrangência do Festival, podemos conhecer filmes de outras regiões e outros países, assim como levar a produção local para espaços de promoção e valorização do cinema universitário”, finaliza.

 

Sinopses

Hipopótamo: Bento está prestes a se mudar da cidade de onde nasceu. A viagem para o novo país é o seu maior sonho desde a faculdade, mas algo o faz resistir ao adeus. Ao menos, fazia.

Atos Criativos: Neste documentário metalinguístico, narrado pelo sociólogo Deleuze, cinco artistas regionais refletem sobre criatividade e o fazer arte. 

 

*Estagiária da Acin Jornalismo, sob supervisão de Eliane Taffarel

COMPARTILHE
TAGS
Unochapeco
Hipopótamo
Cinema
audiovisual
Assimetria

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus