Webmail
Menu Busca

Equipe de pesquisadores internacionais desenvolvem estudos no Ceom

Cultura

Durante o mês de dezembro, o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom) recebeu pesquisadores da Argentina, França e Itália para realização de pesquisas arqueológicas sobre os povoamentos mais antigos na bacia do Rio Uruguai. Desde 2013, o Centro mantém parcerias internacionais visando desenvolver estudos sobre as antigas sociedades que habitaram a região e o contexto ambiental.

O projeto abrange estudos arqueológicos e palinológicos

As pesquisas são vinculadas a diferentes projetos e contam com financiamento de instituições variadas, como a Fundação de Amparo à Pesquisa e Inovação do Estado de Santa Catarina (Fapesc), Edital Prêmio de Estímulo à Cultura Elisabete Anderle, Instituto do Patrimônio Histórico e Artístico Nacional (Iphan) e Ministério das Relações Exteriores da França. As ações também compreendem a preservação e valorização de sítios arqueológicos, assim como a divulgação dos resultados das pesquisas à comunidade.

De acordo com a coordenadora do Ceom, professora Mirian Carbonera, a Unochapecó, em parceria com a Universidade de Bolonha e o Conselho Nacional de Pesquisas Científicas e Técnicas da Argentina (Conicet), têm trabalhado em estudos focados em análises de dieta, práticas de desmame, migração e DNA dos povos que habitavam o sudeste da América do Sul.

"Os projetos não só contemplam estudos arqueológicos sobre as sociedades que viveram ao longo dos últimos doze mil anos, como também pesquisas palinológicas, ou seja, o estudo dos grãos de pólen. Estas, possibilitam revelar como era a vegetação e o clima desde o final do último período glacial, que compreende pelo menos os últimos vinte mil anos", conta.

A professora completa que as parcerias firmadas são fundamentais para o processo, já que essas análises têm um custo alto e dependem de pesquisadores de diferentes áreas do conhecimento para serem realizadas.

 

*Com informações do Ceom

COMPARTILHE
TAGS
Pesquisas
Estudos
cultura
Ceom

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus