Minha Uno
Webmail
Menu Busca

Uma tarde de descobertas no Museu de Ciências Naturais da Unochapecó

Educação

Texto Jessica De Marco* 



No Museu de Ciências Naturais da Unochapecó tudo chama a atenção das crianças. Não há nada que passe despercebido pelos olhares curiosos. Cada detalhe é uma grande descoberta. O espaço promove a interação e o contato com a biodiversidade regional e também mostra a evolução da vida na terra. Uma experiência atrativa e rica em conhecimento. Nesta quarta-feira (04/04), foi a vez das crianças da 1º série da Escola Herbert de Souza conhecerem o Museu, a primeira turma a visitar o espaço neste ano.

A chance de ver de perto diversos animais é o que mais interessa os pequenos. Davi Gomes, de seis anos, nem sabia dizer o que mais chamou sua atenção. Pensou, pensou e falou que foi a mariposa pelo microscópio. E não foi diferente com Heloísa Nogueira, também de seis anos. Por incrível que pareça, o que mais despertou a curiosidade dela foram as aranhas. "São muito grandes, mas não tenho medo", acrescenta.

dfgdfewwA partir desse ano, o espaço deve contar com novos atrativos. A intenção, segundo a bióloga Tania Muneron, é tornar o ambiente ainda mais atrativo, utilizando dos sentidos para enriquecer a experiência dos visitantes. "Estamos trabalhando com a ideia de visita interativa. Hoje, eles já podem visualizar e tocar nas exposições, mas em breve também poderão sentir aromas e ouvir as vocalizações dos anfíbios".

Por meio de uma parceria com o Centro de Memória do Oeste de Santa Catarina (Ceom), o Museu agora também conta com uma exposição de peças arqueológicas, que retratam um pouco da cultura dos primeiros povos a habitarem a nossa região. "Contribui com a nossa ideia de trabalhar a evolução da vida na terra", finaliza Tania.

As escolas e demais interessados em conhecer o Museu de Ciências Naturais podem agendar visitas pelo e-mail museu@unochapeco.edu.br.

 

*Jornalista do Núcleo de Produção de Conteúdo (NPC) - Unochapecó
COMPARTILHE
TAGS
Unochapeco
Museu de ciencias naturais
Biodiversidade regional

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus