Webmail
Menu Busca

Unochapecó forma o terceiro Kaigang mestre em educação no Oeste catarinense

Cultura

O professor Kaingang Getulio Narsizo – Tójfã, da Terra Indígena Xapecó, realizou, no fim de novembro, a defesa de dissertação de Mestrado em Educação na Unochapecó. A pesquisa apresentada, intitulada 'A Cosmologia na educação e vida do povo Kaingang da Terra Indígena Xapecó', foi orientada pela professora Claudia Battestin. Getulio é o 3º Kaingang do Oeste de Santa Catarina a obter o título de mestre em educação e é o 123º a fazer a defesa no programa da Universidade. 

A pesquisa teve como apoio a bolsa social da Unochapecó, que possibilita o acesso na pós-graduação. A banca avaliadora teve como titulares os professores Leonel Piovezanan da Unochapecó e Clóvis Antônio Brighenti, da Universidade Federal da Integração Latino-Americana (Unila), além do professor Elcio Cecchetti, também da Unochapecó, como suplente. Participaram da defesa, via Google Meet, cerca de 50 ouvintes, incluindo o procurador do Ministério Público Federal, Carlos Humberto Prola Junior, a professora Ana Lúcia Vulf Nötzold, da Universidade Federal de Santa Catarina (UFSC), e a professora Maria Dorothea Post Darella, do Museu de Etnologia e Arqueologia da UFSC. Acompanharam o momento, também, o professor Mario Mejia Huaman, da Universidad Ricardo Palma do Peru, Bruno e Joziléia Kaingang, a professora Juciane Franzen, do Departamento de Recursos Humanos da CRE de Xanxerê, entre outros acadêmicos e mestrandos de várias áreas e colegas professores Kaingang. 

Segundo a professora Cláudia, a defesa de Getulio marca mais um ciclo de luta do povo Kaingang na busca da autonomia dos indígenas por uma educação específica e diferenciada. Sobre a pesquisa realizada, Getulio explica que a dissertação apresenta a cosmologia, ou seja, a evolução na educação e vida do povo Kaingang que habita a Terra Indígena Xapecó. “Partindo da pesquisa autoentográfica e com interlocutores indígenas conhecedores da vida e história do nosso povo originário Kaingang, foi feito uma contextualização inicial da cosmologia na Terra Indígena Xapecó. Nessa dissertação, escrevo contando minhas vivências enquanto liderança, educador e sábio, justificando a necessidade de registrar, a partir da minha visão Kaingang, a vida e a cosmologia de meu povo”, explica.

A defesa da dissertação de Getulio ocorreu de forma online

Partindo dessa premissa, a dissertação registra a luta do povo no território hoje conhecido como Terra Indígena Xapecó, bem como, com a relação entre a educação escolar e a educação tradicional Kaingang da comunidade indígena. “Nessa escrita, é possível perceber que a nossa cultura ainda se mantém viva, basta observar o mito de origem, o ritual do Kiki que foi e ainda é um elemento importantíssimo na luta e resistência de meu povo, na qual preserva as histórias, os usos, costumes, tradições e o uso real da língua Kaingang associada ao respeito com os velhos, sábio, lideranças e kujás”. 

Também na pesquisa, segundo Getulio, é possível ver que a terra indígena para o Kaingang não é um bem material, mas uma parte da vida do povo, local onde vive sua cultura e sua alma, sendo a terra mais que terra. Sobre a organização social, política e cosmológica da terra indígena, há um respeito e valorização ao povo, pois cada membro tem uma função específica: criança, jovem, velho, sábio, kujá, mulher e lideranças indígenas vivem e convivem uma relação íntima com a natureza e a cosmologia, unindo o mundo do Kaingang a sua ancestralidade. 

“No quesito educação, a partir da pesquisa, registramos a educação escolar indígena, onde a escola em terra indígena depois de um período longo de negação de direitos e imposições forçadas de aculturação e integração do indígena, tornou-se um mecanismo de resistência Kaingang. E a outra educação é a tradicional, onde até os dias de hoje o sábio Kaingang, através da oralidade, repassa e eterniza os conhecimentos tradicionais do nosso povo, pois como detentor do conhecimento cosmológico, através de memórias e da língua materna, orienta e ensina a comunidade sobre os conhecimentos e tradições de nossos ancestrais. Através da luta dos Kaingang, a comunidade indígena é a protagonista de sua própria história, se ela existe, é porque resiste”, finaliza.

 

COMPARTILHE
TAGS
Terra indigena
Mestrado em educacao
Kaigang
Indigena
Educacao
cultura

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus