Webmail
Menu Busca

Simpósio Sul-Brasileiro de Fisioterapia celebra os 15 anos do curso na Uno

Educação

Texto Ícaro Colella*

 

Na Unochapecó, a realização de eventos permitem aos acadêmicos a escolha de uma formação mais completa. Entre os dias 25 e 27 de setembro, a Universidade foi sede do 13º Simpósio Sul-Brasileiro de Fisioterapia. O evento é uma parceria entre a Uno, a FADEP, de Pato Branco (PR), e a URI, de Erechim (RS). O intuito é promover debates científicos acerca de temas pertinentes a área da Fisioterapia. Este ano, o Simpósio contou com um diferencial, devido a comemoração dos 15 anos de fundação do curso de Fisioterapia na Unochapecó e aos 50 anos de regulamentação da profissão no Brasil.  

O evento envolveu estudantes e professores das três instituições. Além de palestras, o Simpósio contou com mesas redondas e mais de 25 workshops, podendo o congressista escolher dois por dia. Para idealização da composição das temática e oficinas, a coordenadora do curso de Fisioterapia da Unochapecó, professora Indiamara Silvani, conta que foram realizadas pesquisas com os estudantes, para descobrir quais seriam as maiores áreas de interesse. "Diante dos resultados, nós elaboramos todo o planejamento. O Simpósio ofereceu uma variedade de temas para todas as afinidades no ramo da fisioterapia e foi mais uma vez um sucesso, pois contou com a participação de professores e estudantes de outras instituições, o que promove um intercâmbio de realidades", destaca. 

Professores de fisioterapia se reuniram para discutir o futuro do ensino superior 

Além de atividades para os estudantes, professores se reuniram para discutir o futuro da docência e o atual mercado da fisioterapia. Foram pautas da reunião as alterações de matrizes curriculares dos cursos superiores e também a troca de experiências positivas e negativas de sala de aula. A professora de fisioterapia da URI Erechim, Fernanda DalMaso Camera, destaca que reunir estudantes e docentes de três instituições é uma oportunidade rica para o aprendizado. "Conversamos sobre o principal objetivo pelo qual lutamos, que é o ensino de qualidade para que os estudantes tenham melhor formação e, consequentemente, sejam bons profissionais. Saímos felizes com o que foi construído e enxergamos que cada curso está crescendo com essa parceria", conta.  

 

Preparação 

A palestra 'Recuperação dos Atletas e Sobreviventes', ministrada pelo fisioterapeuta da Chapecoense e egresso do curso, Marcos Antonio Bilibio, aconteceu no último dia de evento e interessou muitos acadêmicos pela temática. A fala dele abordou a fisioterapia esportiva dentro de um clube de futebol da série A. Marcos, em conjunto com a equipe de fisioterapeutas do time, foi responsável pela recuperação dos atletas sobreviventes da tragédia que envolveu a equipe da Chapecoense em 2016. "Trouxe um pouco dessa realidade de trabalhar com um time de futebol, e também na recuperação dos sobreviventes do acidente da Chapecoense para a comunidade acadêmica, para que os estudantes se sintam preparados para a futura profissão", explica o profissional. 

Marcos Bilibio falou sobre fisioterapia esportiva e recuperação dos atletas

A estudante do 8º período do curso de fisioterapia da Uno, Camila Bernardi, participou da palestra e conta que optou por essa temática devido a tragédia que aconteceu com a equipe. A partir desse fato ela passou a ter um olhar diferente sobre a fisioterapia e o tratamento de reabilitação de pacientes. "Ter um palestrante que trabalha lá dentro, que é o fisioterapeuta deles, além da vivência que ele passou, é interessante para o nosso futuro profissional, para ter uma base de como se portar e estar preparado para diversas situações futuras", comenta.

O também estudante do 8º período, Alex Gomes, pensa em trabalhar com a parte de ortopedia e traumatologia na fisioterapia do esporte. A palestra o cativou devido a experiência do palestrante com essa parte da reabilitação. Para Alex, as vivências de Marcos agregam na graduação. "O simpósio traz a questão de termos mais contato com áreas diferentes e oferece vários recursos do que pode ou não pode ser feito no nosso dia a dia depois de formados".

Os dois acadêmicos já estão na etapa final do curso e consideram produtivo o Simpósio, no sentido de que trouxe mais especificadas questões que podem contribuir na formação e que não necessariamente estão na matriz curricular. "Foi uma experiência muito boa para o nosso conhecimento, é de suma importância, porque a gente não consegue aprofundar tudo em sala de aula. Temos essa oportunidade em eventos como esse, e com profissionais que estão no mercado", finaliza Camila.

 

Laço Forte

Ainda durante Simpósio foi realizado o lançamento do Clube do Egresso de Fisioterapia da Unochapecó, para comemorar essas datas tão importantes para o curso. O Clube tem como objetivo a aproximação da Instituição com o egresso, para manter os laços que foram criados durante a trajetória acadêmica. "Contamos com a participação de mais de 20 egressos, estes participaram do Simpósio como ouvintes e como palestrantes também. Foi um momento muito importante e feliz. O lançamento foi o início de uma caminhada, pois aos pouco queremos fortalecer o clube e ter o maior número possível de egressos participando, para juntos fortalecermos a fisioterapia", finaliza a professora Indiamara. 

 

*Estagiário sob supervisão de Gabriel Kreutz

COMPARTILHE
TAGS
Sul
Simposio
Fisioterapia
13

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus