Webmail

Cuidado com os e-mails falsos.

Lembre-se: a Unochapecó jamais solicitará sua senha por e-mail ou por telefone.

Congresso Pró e Pet Saúde debate projetos e pesquisas acadêmicas

Saúde

O II Congresso Brasileiro Pró e Pet Sáude também foi uma oportunidade para socializar os trabalhos desenvolvidos em torno dos projetos. As apresentações foram divididas em duas modalidades: oral e pôster. O Congresso contabilizou mais de 180 trabalhos submetidos, das mais diversas regiões do país.

Para o Coordenador da Comissão Científica, Junir Antonio Lutinski, momentos como esse servem para engrandecer as pesquisas desenvolvidas, e também permite a partilha de conhecimento. “É uma grande oportunidade de expor num evento de caráter nacional, exercitar o método científico, além de proporcionar a partilha de experiências, que é ímpar”, acrescenta.

uno

As apresentações trouxeram diferentes cenários de prática no campo da saúde, com ideias e iniciativas aplicadas nos mais diversos setores. O acadêmico do sétimo período de enfermagem da Universidade do Vale do Itajaí (Univali), Daniel Deittrich, apresentou o trabalho “Ecografia ecológica: Pintando o futuro”. O trabalho consiste na maior humanização do pré-natal de gestantes, onde enfermeiros, junto aos pais, pintam o bebê na barriga das mães, permitindo sua visualização pela primeira vez, e assim, estreitam laços e aumentam o vínculo da gestante com a unidade de saúde.

Esse trabalho é desenvolvido há um ano na rede pública de Balneário Camboriú. O estudante destaca a importância do PET para a realização desse projeto. "O espaço para poder ter esse vínculo com as gestantes é muito importante, e o PET é que disponibiliza esse contato para além da graduação”. Diversos trabalhos abordaram a ideia de humanização e o fortalecimento dos pacientes com os locais de atendimento, seja através da comunicação na hora do atendimento ou ações práticas como caminhadas coletivas guiadas por profissionais da saúde, estimulando as atividades físicas em suas cidades. 

uno

Na finalização das apresentações orais, uma roda de conversa foi aberta para discussão dos trabalhos expostos, de projetos futuros e a sequência do desenvolvimento destas pesquisas. A tutora do PET – Redes de Atenção à Saúde Indígena, Vanessa da Silva Corralo, ressalta a relevância desse intercâmbio de conhecimento. "Foram apresentados trabalhos de diferentes metodologias, vivenciadas pelos atores do PRÓ e PET saúde e esse momento proporciona diálogos sobre a forma para dar continuidade a estes dispositivos. É um espaço extremamente importante”.

O estudante do terceiro período de medicina da Universidade Federal do Rio Grande do Sul (UFRGS), Eduardo de Araújo Silva, que expôs o trabalho intitulado “Casos de infarto agudo do miocárdio (IAM) atendidos e regulados pelo SAMU de 2012 a 2014 em Porto Alegre/RS”, enaltece a importância do evento e frisa a relevância do desenvolvimento de práticas científicas na sua formação profissional. “O PET – Urgência e Emergência me deu uma vivência que eu teria apenas no futuro da graduação. A pesquisa terá continuação e seus resultados serão utilizados pela Secretaria da Saúde de Porto Alegre”. A aplicabilidade desses projetos e pesquisas na comunidade trouxe um retorno positivo na maioria dos trabalhos apresentados, e que serão perpetuados. 

COMPARTILHE
TAGS
Pet saúde
congresso

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus