Webmail
Menu Busca

Etapa final do VIM reúne 300 estudantes para socializar experiências

Comunidade

Texto Gabriel Kreutz*

 

Cada um tem sua concepção sobre o Sistema Único de Saúde (SUS), seja ela baseada em experiências próprias ou pelo que a maioria das pessoas fala. A estudante do 6º período de Educação Física da Unochapecó, Letícia Linhares, por exemplo, não fazia ideia da complexidade do Sistema, até viver na prática como ele funciona. "Eu vi que existe uma ampla rede de serviço para a comunidade, como as visitas domiciliares, que achava que não tinha. Pude perceber também coisas que vão muito além do que eu pensava sobre o SUS, tinha uma visão de que era tudo muito superficial, e não é", relata.

Letícia faz parte do grupo de 300 estudantes de oito cursos da Unochapecó que neste ano participou do projeto Vivências Interdisciplinares e Multiprofissionais (VIM). Em seu 15º ano, o VIM possibilitou que os acadêmicos vivessem por um dia a realidade das Unidades Básicas de Saúde (UBS) dos municípios de Arvoredo, Paial, Pinhalzinho e Chapecó. Como forma de socializar todas as experiências obtidas, na última terça-feira (11/06), estudantes, professores e tutores, além de representantes dos municípios que receberam o projeto, se reuniram para a última etapa, que foi justamente uma maneira de compartilhar com pessoas de diferentes cursos como foi a atividade.

Além de Educação Física, também participaram do projeto os cursos de Medicina, Enfermagem, Psicologia, Nutrição, Farmácia, Odontologia e Fisioterapia. "Iniciamos as atividades no dia 05 de março e na última terça-feira foi realizada a devolutiva daquilo que a gente viu e estudou, ou seja, a realidade do SUS nos municípios participantes. Além desse contato, os estudantes tiveram tutorias com professores, mestrandos e doutorandos, onde foi trabalhado a legislação e os principais autores que falam sobre o Sistema, para depois analisar se o que está escrito realmente funciona na prática", explica o coordenador do VIM, professor Altamir Trevisan Dutra.

Ele destaca que o projeto, que acontece todo ano no primeiro semestre, contempla ensino, pesquisa e extensão.

"Para nós que formamos profissionais da saúde na Unochapecó, é com muito orgulho que fazemos isso há 15 anos, mostrando as realidades, interagindo com a região e trazendo isso como conteúdo para desenvolver as diferentes disciplinas. É maravilhoso ver a mudança que um estudante tem do seu conhecimento sobre o SUS antes e depois do projeto. Ainda temos muitos desafios, mas estamos felizes neste momento com os progressos e mudanças que tivemos em todos esses anos", completa o professor.

 

Estudantes de diferentes cursos compartilharam suas experiências

Diferentes visões

O município de Arvoredo tem pouco mais de dois mil habitantes e uma única UBS. A realidade deles é diferente da de Chapecó, por exemplo, e é justamente esse contraponto que faz os estudantes refletirem. A prefeita do município, Janete Paravizi Bianchin, avalia que, além de ser importante para os acadêmicos, a vivência beneficia os profissionais da saúde e os usuários. "Os estudantes puderam interagir, fazer perguntas e adquirir conhecimento. Houve uma troca muito grande, mesmo sendo só um dia de vivência. Como a cidade é pequena, eles conseguiram atingir muitos setores da população, possibilitando conhecer as pessoas que utilizam esse serviço e perceber como ele é oferecido", conta.

É justamente essa diferença de realidades que a professora Maria Elisabeth Kleba da Silva relata que agrega na atividade. "A situação de você visitar um município que tem menos de três mil habitantes e que precisa dar conta de toda complexidade que é assistência integral da saúde é uma oportunidade muito interessante. O estudante tem que perceber o morador daquele lugar, entender como os profissionais atendem essas pessoas para poder encaminhar em casos mais complexos. É uma oportunidade para o estudante perceber e se colocar no lugar de como seria ele trabalhando em uma realidade assim", ressalta.

 

Junto da comunidade

O reitor da Unochapecó, professor Claudio Jacoski, afirma que o projeto é fundamental para a formação do estudante e pode servir como espelho para outras áreas. "Estamos como Universidade dentro dos ambientes de saúde dos nossos municípios, fazendo relação com as Unidades Básicas de Saúde e com os profissionais daquela área, levando e trocando conhecimento. Com isso a Unochapecó fortalece seu modelo comunitário", destaca.

Antes da socialiazação os profissionais dos municípios foram recebidos na reitoria

Claudio avalia que, com a atividade, é possível absorver muitas questões ligadas à área da saúde e trazer elas para dentro da Universidade, proporcionando debates, discussões, melhorias e o avanço do conhecimento. "Entendemos que a necessidade de discutir de forma multidisciplinar os aspectos da formação e ter uma relação direta com seu campo de trabalho faz do estudante um profissional diferente, que pode ter na sua saída para o mercado de trabalho, oportunidades diferenciadas a partir dessa condição".

A pró-reitora de Graduação da Unochapecó, professora Silvana Muraro Wildner, comenta ainda que a integração dos cursos é uma questão fundamental para o sucesso do projeto. "É uma oportunidade de conviver e trocar experiências com o colega de outro curso. E no VIM eles estão fazendo uma integração, pois no SUS é assim que se trabalha, as equipes são multiprofissionais e eles já conseguem perceber isso desde a primeira vivência", finaliza.

 

*Jornalista do Núcleo de Produção de Conteúdo (NPC) - Unochapecó

COMPARTILHE
TAGS
Vivencias
Vim
Unochapeco
Saude

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus