Webmail
Menu Busca

Confiança do consumidor chapecoense sofre queda pelo terceiro mês seguido

Mercado

O Índice de Confiança do Consumidor (ICC), calculado para Chapecó, apresentou redução de 1,28 pontos em maio. Neste mês, a confiança dos consumidores chapecoenses é de 90,54 pontos, em abril era 91,82 pontos, o que representa uma redução de 1,40%. Este é o terceiro mês seguido que a confiança dos consumidores registra queda. A pesquisa é realizada pelo curso de Ciências Econômicas da Unochapecó, juntamente com o Sindicato do Comércio (Sicom), por meio do Sicom Pesquisas.

A confiança dos consumidores no mês de maio indica um contexto de desaceleração da atividade econômica em Chapecó. Neste mês, o ICC novamente foi inferior a 100 pontos, mantendo a tendência de queda observada nos meses anteriores. Comparando a confiança do consumidor com o  mesmo período do ano anterior, nota-se um aumento de 17% entre os últimos doze meses. Em maio de 2018 a confiança dos consumidores representava 77,15 pontos, estado este de recessão.

Na interpretação do professor do curso da Unochapecó, Frederico Santos Damasceno, a desaceleração da atividade econômica em Chapecó apresentou resultado semelhante à contração econômica que o Brasil vem passando neste primeiro quadrimestre de 2019. De acordo com ele, um dos fatores que contribuem para o crescimento da economia são as expectativas. "Há de se destacar que ainda há muitas dúvidas na economia referente às medidas que estão sendo adotadas pelo atual governo. Desta forma, as pessoas estão mais otimistas em relação ao mesmo período do ano passado, mas com muitas incertezas pelo quadro econômico e político que tem se apresentado, como pode ser citada a escassez de crédito, bem como o alto desemprego e as discussões das reformas, principalmente a da previdência", explica.

Para o mês de maio, a amostra foi composta por 110 mulheres e 78 homens de diversas faixas etárias e classes de renda. A análise é segmentada também pelas características individuais dos consumidores: gênero, idade e renda. O levantamento foi realizado entre os dias 15 a 26 de abril no centro do município.

Dentre todas as categorias analisadas, os consumidores com idade superior aos 65 anos foram os que tiveram sua confiança mais reduzida (- 22%), seguidos dos jovens menores de 24 anos (- 10,86%) e dos homens (- 3,86%). Mesmo com a redução no índice geral, algumas categorias tiveram sua confiança elevada. As mulheres aparecem em primeiro lugar (+ 2,09%), seguido das pessoas com renda entre os R$ 1.500,00 e R$ 3.000,00 (+ 2%).

 

Subíndices

A partir da descrição do comportamento do ICC, parte-se para a análise dos principais resultados dos subíndices que o compõe: Índice de Condições Econômicas (ICE), Índice de Expectativas de Consumo (IEC) e o Índice de Endividamento e Inadimplência do Consumidor (IEIC).

O ICE apresentou elevação de 0,45% se comparado ao mês de abril, somando 72,36 pontos. Os resultados indicam que os consumidores, independente da categoria analisada, passaram a avaliar suas finanças e a conjuntura do país, em relação aos últimos 12 meses, de forma um pouco mais positiva se comparada ao mês anterior.

Já em relação ao comportamento do IEC, houve uma redução no mês de maio de 2,18%. Desta forma, o mesmo reduziu para 101,71 pontos. Percebe-se que, embora a confiança dos consumidores esteja diminuindo, a expectativa no futuro é mais negativa do que a percepção presente dos indivíduos.

O IEIC permite sondar o nível de obrigações a pagar ou em atraso que o consumidor possa ter, como por exemplo, cartão de crédito, crédito em lojas, crédito consignado, cheque especial, financiamento de carro/moto, financiamento casa/apartamento e outras dívidas. Para o mês de maio, o IEIC registrou crescimento 6,71%, em abril esse índice representava 136,12 pontos, e passou para 145,26 pontos, considerando 90% de confiança na pesquisa. Dentre os 188 consumidores entrevistados, 64,9% estão com alguma obrigação a pagar, entre as obrigações, o cartão de crédito representa 60,65%, seguido pelo crédito em lojas com 45,08% e o financiamento de carro/moto 22,13%.

O percentual de consumidores que disseram estar inadimplentes apresentou uma redução em maio. Em abril, 13,1% das pessoas endividadas também estavam inadimplentes, e em maio esse percentual reduziu para 8% dos entrevistados. Dentre as principais obrigações em atraso destacam-se o cartão de crédito e o crédito em lojas com 40% ambos.

Os resultados das pesquisas indicam que a redução dos inadimplentes em Chapecó apresentou comportamento similar ao observado no país como um todo. Neste, o percentual é de aproximadamente 23%. Quanto ao tipo de obrigação em atraso, as duas principais em Chapecó, cartão de crédito e crédito em lojas, também são no Brasil. Vale ressaltar que o cartão de crédito apresenta altas taxas de juros em relação às outras formas de crédito disponível no mercado. No entanto, embora tenha uma taxa de juros significativamente alta, ainda é a muito usada por ser de fácil aquisição e, em muitas vezes, de difícil controle no uso.

 

Expectativa para o Dia das Mães

No mês de maio é comemorado o Dia das Mães. Nesta data, entre os consumidores entrevistados, 66,8% disseram que iriam presentear ao menos uma mãe. Sobre a data, os consumidores estão dispostos a gastar em média R$ 179,70, valor inferior a maio de 2018, onde os consumidores estavam dispostos a gastar, em média, R$ 191,82. Em geral, os consumidores chapecoenses pretendem presentear entre uma e duas pessoas nesta data. Sobre os itens de preferência, destacam-se: flores, perfumes e artigos de vestuário.

COMPARTILHE
TAGS
Unochapeco
Icc
Consumidor
Confianca

LEIA TAMBÉM

comments powered by Disqus
Pós-Graduação UNOCHAPECÓ
Chame no Whatsapp